Follow by Email

sábado, 26 de junho de 2010

Mascote

Neste último sarau, tivemos a participação de um grupo de dança bem legal, chama-se Koteban http://www.balletafrokoteban.blogspot.com/ onde os tambores fizeram o sarau esquentar!

Outro ponto alto do sarau foi a participação do Vinicius (Mascote), amigo de caminhada Donde Miras, logo após sua participação consegui pegar o texto pra publicar aqui, então, segue:

Pertencimento

Esse chão de madeira macia ou pedra chapada
que tão humildemente recebem meus pés sem sapatos
Esses milhões de hectares, aquelas montanhas
e entre elas, entre suas pernas - o vale
e toda a vida profusa no veio dagua, filete de sol
correndo as manhãs geladas!
Esses animais serenos, comendo a erva da terra
se refazendo do barro, se comendo aos berros sem
qualquer embaraço... Esse imenso terreno baldio
e suas árvores de mil braços, cada um com mil olhos
verdejantes sensíveis ao vento e também suas sementes,
e seus frutos suculentos, ahhh, pros seus dentes!
As moradas dos homens, de ferro e cimento de pau
e palha de telha e vidro de papelão. Cada pequena
janela mirando um retalho de paisagem
e também cada paisagem com tyodas as suas janelas!
Esses campos arados e a ceifa terrível, os caminhões
quase sempre tombando aos navios imensos, hidras
rasgando o vento sobre a lâmina d'água! Essa água
toda de sal e a água viva das nuvens e a água
virgem das fontes e as pontes sobre os rios
que as cruzam! Todo, todo vinho das adegas, segredos
guardados pelo beijo das rolhas, a alma das uvas
e os vinhedos.
Os sabores das coisas, das coisas todas as coisas sem alma.
O terno elegantíssimo, a bengala bem polida, o chapéu altivo,
tão engraçado! As fachadas coloridas dos puteiros que as
crianças amam mas seus pais frequentam.
Essa cama de areia no lábio do mar e as ilhas exigidas no nada,
e as quilhas engastadas no fundo do oceano. A reunião das estrelas,
os satélites vagantes na espiral do delírio humano, os mil vezes
cem bilhões de anos do cosmos colorido!
Toda e qualquer cantina, cantinho de gula, doces caseiros
celeiros de milho, a comida lançada ao lixo!
Os livros adormecidos nas estantes lustrosas, a poesia e a prosa
de 20 séculos, essa imensa síncope de imersão ciclópica!
Os corações das multidões maciças, das solidões voláteis.
Aquelas catedrais de altares fúnebres e as bacias douradas
de água benzida, que boas pra matar a sede. Todas as riquezas
bíbliscas, salomão cantou-as, vede!
Também a arte dos povos, a tinta despendida em visões obscuras,
incríveis e puras, tão fúteis e amáveis. Os inumeráveis salões
de baile e os pingentes pendentes sobre o seio das mulheres,
pedras opalescentes, lágrimas da rocha, pérola cadentes que
a mão do ourives desabrocha.
A fênix dos penhascos cantando a mortedo fogo,
a revoada dos pássaros, devum verão ao outro.
A campina dos leões, a estepe dos lobos, a sede dos esquelos
e a ravina do corvo, qualquer bioma possível e a biosfera toda.
na mata e no deserto, não tão notáveis quando os castelos
dos insetos, colméias suspensas, galerias subterraneas
E as miragens litorâneas na hora que o sol evade!
Os territórios sem grades, a evaporação  das cercas e o carnaval
das cidades. E mesmo a dor subcutânea e insondável, tão comum
à alma humana, a dor vã e indevassável...

terei tudo tudo
todas as coisas
e só porque não comprarei nada
e de nada serei dono!

Nenhum comentário:

Sarau do Binho